sexta-feira, 26 de fevereiro de 2016

Aquecimento Oscar 2016 #2



Venho por meio deste finalizar a maratona de Oscar de Melhor Filme de 2016 e ainda estou chocada. Eu venho tentando fazer isso (assistir todos os filmes do Oscar) desde 2009. E esse ano, pela primeira vez, consegui! É muita emoção, chego a ficar com os olhos marejados.

https://media.giphy.com/media/YNvCzKR0drtq8/giphy.gif

No primeiro post, eu falei sobre os filmes que mais gostei. Já esse aqui vai ficar com os que eu achei mais fracos. Na verdade em gostei bastante de Room, mas como queria dividir os posts bonitinhos, ele acabou caindo nesse aqui. #prioridades


Bridge of Spies
até os gifs são boring

Um advogado americano aceita defender um espião soviético capturado nos States. Ele acaba sendo enviado para Berlim para negociar a troca desse espião por um americano, feito prisioneiro por lá.

Gente. Pra que? Eu sei que é um filme sobre Guerra Fria e a Academia adora isso etc etc... Mas parece até filme de Sessão da Tarde (embora tenha que ser bastante picotado pra passar nesse programa, pois duas fucking horas e meia), daqueles que você assiste hoje e amanhã nem lembra mais. Eu demorei uns dois dias pra ver esse filme inteiro porque eu simplesmente não conseguia ver mais de meia hora seguida. Esse é o nível. A única coisa boa que posso apontar é que, pela primeira vez, eu vi um filme americano que não tenta vilanizar um espião soviético e achei isso muito legal. O ator que faz esse espião, Mark Rylance, foi até indicado a Melhor Ator Coadjuvante (embora eu ache que não tenha sido pra tanto). Mas no mais, nada me agradou.


The Big Short
https://upload-assets.vice.com/files/2016/01/14/1452792623TheBigShort2.gif
??????

Uns caras brancos veem, antes de todo mundo, que o mercado imobiliário está criando uma bolha na economia americana e decidem apostar contra ela, porque percebem que tudo vai desmoronar. 

Gente... ZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZ!!! O objetivo desse filme é facilitar o nosso entendimento sobre a crise de 2008, que quebrou os EUA e o mundo etc. Mas eu cheguei ao final dele sem entender bulhufas???? Não sei se todo mundo que assistiu também continuou na mesma ou se foi só porque eu fiquei com uma preguiça eterna desse filme e então criei uma certa resistência quanto a ele, são questões. Só sei que detestei tudo: os ângulos esquisitos de câmera, os famosos explicando as coisas complicadas (aparece tipo a Selena Gomez como ela própria explicando as coisas pro público, quebra da quarta parede etc), as perucas MUITO ruins etc. Mas tem atuações legais: o Christian Bale foi indicado a Melhor Ator Coadjuvante também e o Steve Carell estava ÓTIMO, mas não foi indicado a nada, achei sacanagem. Ah, esse filme contém um elevado teor de homens brancos por metro quadrado, apreciem com moderação.


Mad Max
http://1.bp.blogspot.com/-aV1bf0qErzk/VWeARUoJwLI/AAAAAAAALXc/USz7KOupkrk/s1600/guitar%2Bmad%2Bmax.gif
ponto alto do filme

Sinceramente, não sei como explicar direito qual é a desse filme, mas como já vi algumas pessoas dizendo pela internet: é só um bando de gente suja e esquisita correndo pelo deserto.

Pra começar: que fique claro que eu não gosto de filmes de ação. O máximo que eu consigo tolerar é filme de espião (que na verdade eu amo) e só. Esses filmes que tem perseguição de carro, tiro, porrada e bomba não são minha praia. Dito isto, fica fácil perceber porque achei Mad Max tão meh. VEJAM BEM: É UM BOM FILME. Simplesmente não é o tipo de coisa que eu gosto. E uma coisa que me deixou especialmente incomodada foi que achei as coisas muito mal explicadas. Grande parte da minha geração (arrisco dizer a maioria dela) não assistiu os outros filmes da franquia, então não achei legal simplesmente jogar um Max todo corroído pelo passado sem que nós saibamos que passado é esse. Mas gostei das moças que dirigem carros e atiram em bandidos e gostei mais ainda que um filme com um núcleo feminino tão forte tenha sido indicado ao prêmio de Melhor Filme. Ah, tem um cara tocando uma guitarra que sai fogo!!!!!!


Room 
babies


Jack é um garotinho de cinco anos que vive com sua mãe em um quarto de 10m². Eles estão presos num cativeiro para o qual a mãe dele foi levada por seu sequestrador quando era adolescente. Jack nasceu ali e nunca viu o lado de fora. Mas a paciência da mãe dele está se esgotando e quando eles finalmente conseguem fugir percebem que o mundo real pode ser tão assustador quanto o quarto.

Room é feito todo sob a perspectiva do pequeno Jack. O filme começa como se nós estivéssemos enxergando através dos olhos dele. Então somos apresentados ao quarto, seus “amigos”, sua mãe e sua vida. Apesar da situação adversa, a mãe de Jack, Joy, conseguiu criar todo um universo lúdico para seu filho, para protegê-lo da melhor maneira possível. Quando eles finalmente saem do cativeiro, algumas coisas passam a estar fora do alcance dela e isso a atormenta. Não consigo nem dizer qual parte do filme é a melhor: quando eles ainda estão no quarto ou quando eles conseguem fugir. Ambas são muito interessantes. Primeiro ver como é a vida dentro de um cativeiro e como Joy se esforça para dar um mínimo de conforto para seu filho, dentro das condições em que eles se encontram, ao mesmo tempo em que tenta se manter sã. Mas o momento em que eles se encontram do lado de fora foram os que realmente me surpreenderam.

Quer dizer, nós vemos casos como esse o tempo todo na TV. Pessoas que viveram sob cativeiro durante muito tempo e de repente conseguem a liberdade. Mas eu nunca tinha realmente pensado sobre isso, sobre o que vem depois, sobre como é a vida e a readaptação depois de uma situação dessas. E Room nos oferece isso de duas maneiras: Jack vendo o mundo pela primeira vez e Joy tentando se reencontrar nele. Nessa segunda parte eu fiquei um pouco incomodada com a insistência no ponto de vista de Jack porque acaba que nós não conseguimos ter uma ideia geral do que está acontecendo, só o que ele vê. Eu queria, por exemplo, saber mais sobre a Joy, sobre os problemas que ela desenvolveu depois de passar por inúmeros abusos e como ela estava lidando com isso. Mas acontece que só temos a visão de Jack que, venhamos e convenhamos, não é a mais madura né. Mas apesar dos pesares, Room é um filme lindo e realmente emocionante (e meio que me fez desenvolver uma curiosidade pouco-saudável sobre vida de sobreviventes de cativeiros).



Chegamos ao final da maratona! O meu palpite pro Oscar de Melhor Filme é The Revenant, mas se The Martian ganhar eu não vou ficar chateada (pra falar a verdade, só vou ficar p da vida se Bridge of Spies ou The Big Short ganharem, o resto a gente tolera). E qual filme vocês acham que deve ganhar? Aliás, o que vocês acharam desses filmes? Alguém fazendo maratona por aí? Conta pra gente!

Até o dia da premiação eu e Natália voltamos com mais um post, aguardem!


Bônus: Vocês sabiam que a Brie Larson é cantora? Cantora mesmo, não apenas músiquinha de Scott Pilgrim, ela tem CD gravado e tudo! Eu era MUITO fã dela nos idos de 2008/2009 e confesso que fiquei um tanto quanto bolada quando ela meio que largou a carreira na música pra se dedicar mais a atuar, mas hoje em dia vejo que vale a pena. A menina foi indicada pro Oscar! Como muita gente não conhece esse passado dela, deixo aqui uma das minhas músicas preferidas dela (e também da vida).


                                  

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Faça três blogueiras felizes com uma comentada só!